Lifestyle

Wish you a Happy and Free 2017

Este post é dedicado a todos os que celebram a vida com alegria, mas especialmente aos que estão particularmente sensíveis nesta época, dita festiva, pela saudade, como sucede com todos os migrantes, ou pela solidão, ou pela dor da perda mas, ainda assim, recusam-se a baixar os braços e, ousam acreditar num amanhã melhor.

É Natal! É fim de ano! Época de balanço, de fins e de recomeços.

Nesta época, festiva para muitos, melancólica para todos os que estão longe de quem amam, encerramos ciclos e fazemos planos, tomamos resoluções, deixamos o optimismo apoderar-se de nós e atrevemo-nos a sonhar…alguns conseguem viajar, no tempo e no espaço…

Deixo apenas um conselho: não desistam de lutar, ousem sair da zona de conforto, não se foquem no problema mas nas soluções, não lamentem as escolhas do passado nem esperem por algo que pode tardar em chegar, vivam hoje, o melhor que possam, como se fosse o último dia…algum será mesmo. Não deixem nada por dizer, nem por fazer. Amem quem são e mudem o que não gostam, acima de tudo, sejam felizes!

E deixo-vos um poema que adoro! 

Beijosssss Jo

“Morre lentamente”

“Morre lentamente
quem se transforma em escravo do hábito,
repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca
Não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.
Morre lentamente
quem faz da televisão o seu guru.
Morre lentamente
quem evita uma paixão,
quem prefere o negro sobre o branco
e os pontos sobre os “is” em detrimento de um redemoinho de emoções,
justamente as que resgatam o brilho dos olhos,
sorrisos dos bocejos,
corações aos tropeços e sentimentos.
Morre lentamente
quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho,
quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho,
quem não se permite pelo menos uma vez na vida,
fugir dos conselhos sensatos.
Morre lentamente
quem não viaja,
quem não lê,
quem não ouve música,
quem não encontra graça em si mesmo.
Morre lentamente
quem destrói o seu amor-próprio,
quem não se deixa ajudar.
Morre lentamente,
quem passa os dias queixando-se da sua má sorte
ou da chuva incessante.
Morre lentamente,
quem abandona um projecto antes de iniciá-lo,
não pergunta sobre um assunto que desconhece
ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves,
recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior
que o simples fato de respirar. Somente a perseverança fará com que conquistemos
um estágio esplêndido de felicidade. ”

Martha Medeiros (também atribuído a Pablo de Neruda)

 

 —-
This post is dedicated to all who celebrate life with joy, but especially to those who are particularly sensitive at this time, festive, for nostalgia, as happens with all migrants, or for loneliness, or for the pain of loss, and yet refuse to lower their arms and, regardless of the inconstancies, still dare to believe in a better tomorrow.

It’s Christmas! It’s New Year! Time of balancing results, time for ends and beginnings.

At this season, festive for many, melancholic for all who are far from the ones they love, we close cycles and make plans, we make resolutions, we let optimism seize us and we dare to dream … some can travel, in time and in space…
I leave only one advice: do not give up fighting, dare to leave your comfort zone, do not focus on the problem but in the solutions, do not mourn the choices of the past or wait for something that may not come, live today, the best you can, as if it were the last day … some will be. Leave nothing to be said or done. Love who you are and change what you do not like, above all, be happy!

And I leave you with a poem that I love!

Big kiss Jo

 

Dies Slowly

Dies slowly he who transforms himself in slave of habit,
repeating every day the same itineraries,
who does not change brand,
does not risk to wear a new colour and doesn’t talk to whom doesn’t know.
Dies slowly he who makes of television his guru.
Dies slowly he who avoids a passion,
who prefers black to white
and the dots on the “i” to a whirlpool of emotions,
just those ones that recover the gleam from the eyes,
smiles from the yawns,
hearts from the stumbling and feelings.
Dies slowly he who does not overthrow the table when is unhappy at work,
who does not risk the certain for the uncertain
to go toward that dream that is keeping him awake.

Slowly dies he who doesn’t travel, he who doesn’t read,
he who doesn’t listen to music,
he who does not find grace in himself,

Slowly dies he who destroys his own self-esteem,
who does not allow himself to be helped,
who spends days on end complaining about his own bad luck, about the rain that never stops.

Slowly dies he who abandons a project before starting it, who fails to ask questions on subjects he doesn’t know, he who doesn’t reply when he is asked something he does know.

 

Let’s avoid death by small doses,
remembering always that being alive
requires a much larger effort
than the simple act of breathing.

 

Only a burning patience will lead
to the attainment of a splendid happiness

by Martha Medeiros (sometimes attributed to Pablo Neruda)

Photo: Fabiana Guerreiro

The author: Joana Duarte

Hi everyone and welcome to my blog. Here you’ll find small bits and pieces of my favourite things to do in life. I wish to share with you Adventures, Love and Positive Vibes. Thanks for the support. Stay tuned! xx Jo

6 Comments

  • Querida Joana, fiquei completamente rendida ao teu blog 😉 Adorei a apresentação, o facto de escreveres o texto em Portugues ajuda bastante, principalmente a mim, que nestas pequenas coisas arranjo mais léxico para o meu inglês 😛 admiro-te imensoI!!!! Fiquei mesmo feliz ao ler o teu blog 😀 Grande iniciativa, Grande blog, Grande Joana ❤ espetacular, mesmo 😉 daqui em diante vai ser so a acompanhar esta tua nova etapa!!! Muitos parabéns ❤
    beijinhos enormes da tua fã desde os mca3 😘😘😘

  • Olá Joana gostava de te dar uma ideia… Fazeres um post sobre os tipos de exercício físico que fazes quando vais ao ginásio…😘 bjs grandes 😘😉

Leave a Reply